Junta de Freguesia de Água de Pena

Este Site contem Flash

 

Resumo Histrico da Freguesia

Resumo histrico gua de Pena (Freguesia de). No dia 2 de Julho de 1419, segundo a data mais provvel, desembarcou Joo Gonalves Zarco nas praias de Machico, recolhendo-se ao cair da noite aos navios, para continuar no dia seguinte a explorao da costa desconhecida.

E, no dia imediato, diz Gaspar Frutuoso, correndo mais abaixo, sempre apegado com a terra, acharam um fresco valle e ameno prado hum ribeiro de agua, que vinha sahir ao mar com muita frescura. Ali fez ir alguns homens, onde os que foram achar outra fonte, que shaia debaixo de um grande, antigo e liso seixo, e era to preciosa e fria, que mandou dela encher outra vasilha para levar ao infante; e poz a este porto nome (por causa do que nelle achou) o Porto do Seixo, como hoje se chama , pertencendo este pequeno porto aos terrenos que constituram a futura parquia de gua de Pena. Foi esta a segunda freguesia que pisaram os descobridores ao aportarem a esta ento ignorada ilha. O porto do Seixo ficou assinalado na histria do descobrimento como o primeiro local visitado pelos descobridores no segundo dia da explorao que fizeram ao longo da costa. Desconhecemos a origem do nome desta freguesia, e vrias hipteses se tm aventado para a explicar. J algum quis afirmar que o nome primitivo era gua de Penha e no Pena, denominao que proviria da gua a brotar de uma penha ou rocha viva, e que com o decorrer dos tempos se daria a corruptela de Penha em Pena. Para justificar categoricamente esta explicao, tornava-se mister a existncia, em qualquer ponto a dentro da rea da parquia, dum manancial a sair da rocha, o que nos parece se no verifica ali. E, porm , certo que, num antigo nobilirio, lemos que deriva duma fonte cristalina  de veio contnuo na sesmaria de Henrique Teixeira, que teve grossas terras para oeste da villa de Machico . Ser a fonte do Seixo ou outra que tivesse desaparecido? No hoje fcil sab-lo.

de presumir que por ali houvesse algum stio ou lugar com o nome de gua de Pena desde os tempos primitivos da colonizao e deste modo desse origem denominao da parquia. Em alguns documentos antigos, se encontra este nome com a grafia de gua de Pen.

Afirma o ilustre anotador das Saudades da Terra que Henrique Teixeira, filho segundo de Tristo Vaz, um dos descobridores da Madeira e primeiro capito donatrio de Machico, Teve terras de sesmaria em gua de Pena, e diz Gaspar Frutuoso que era muito ligado agricultura e por essa inclinao foi bem rico e enobreceu a villa de Machico asside de muitos engenhos de assucar, como de canaviaes, gado e po, e montados que mandou roar e aproveitar . Vimos num antigo livro de linhagens, que Hiro Teixeira, neto de Henrique Teixeira, fez moradia em gua de Pena, tendo falecido em 1551e sido sepultado na capela da Conceio de Machico.

provvel que fossem estes Teixeiras os primeiros povoadores ou ao menos os mais antigos colonizadores de gua de Pena muitos anos antes de ser construda em parquia. Foi  esta criada pelos anos de 1560,sendo uma das mais antigas das pequenas freguesias da Madeira. Talvez tivesse a sua origem numa fazenda povoada, como aconteceu com tantas outras, que foram o ncleo de futuras e importantes parquias. Algumas dessas fazendas tinham pequenas capelas, que passaram a ser as sedes das freguesias que se criaram. Com relao a gua de Pena, nada podemos afirmar de positivo a tal respeito.

Ou numa capela j ali existente, ou num pequeno templo que ento se tivesse erguido, comeou, em 1561, a funcionar a nova parquia, tendo como seu primeiro pastor o padre Tom Gomes, a que sucessivamente se seguiram o procos Manuel de Carvalho, Joo Ferreira Baptista, Pedro Ferreira, Antnio do Canto, Pedro Gonalves Ciebra, Manuel da Silva Boim, Duarte Mendes, Dr. Estevo Lomelino de Vasconcelos, etc. A primitiva cngrua anual foi, em 1572, elevada a 9000 rs., e acrescentada com 3$000 por alvar de 14 de Dezembro de 1588. O alvar rgio de 5 de Fevereiro de 1592 elevou a cngrua ao vencimento anual de 19$000 rs. Em dinheiro e 1 moio e uma pipa de vinho.

No ndice geral dos livros da antigo Provedoria deste arquiplago, se v que, por mandado do Conselho da Fazenda de 13 de Maro de 1694, se ordenou a despesa de 651$000 rs. Para arrematar a obra de pedreiro e carpinteiro da nova igreja , e no mesmo ndice se encontra o registo de outro mandado do referido Conselho, de 2 de Abril de 1745, para se arrematar a obra da nova igreja pelo preo de 4000$000, ou por menor lano que houver, visto que a mudana  que se pretende fazer para stio mais cmodo e menos ventoso . Entre um e outro mandado medeia apenas o espao de 50 anos, no sendo muito provvel que, dentro de meio sculo, tivesse a igreja necessidade de ser novamente edificada. Presumimos que o mandado de 1694 no teve execuo. E nesta conjectura nos confirmam os Anais de Machico, escritos por meados do sculo passado, quando dizem que cerca de cem anos, isto aproximadamente por 1745, foi novamente construda uma igreja em gua de Pena por a primeira se ter abatido. Os 4000$000 foram destinados a esta construo, sendo a nova igreja levantada em stio um pouco afastado da primeira, que ento ficava no extremo passal.

A fbrica desta igreja teve 3$000 anuais, pelo alvar de 15 de Junho de 1598.

Encontrando-se o vigrio capitular e governador do bispado Antnio Alfredo de Santa Catarina Braga no Santo da Serra, expediu dali uma proviso, datada de 13 de Junho de 1836, extinguindo a freguesia de gua de Pena e criando a do Santo, ou melhor anexando aquela ao curato do Santo da Serra e fazendo neste a sede da nova parquia, com o nome de freguesia do Santo da Serra e gua de Pena. Era o Santo da Serra um curato filial da parquia de Machico, criado em 1813, mas o respectivo cura no tinha nele residncia habitual. Com a anexao da freguesia de gua de Pena ao curato do Santo da Serra, ficou este sendo a sede da parquia, e ali passou a ter residncia efectiva o proco respectivo. No teve longa durao a medida arbitrariamente tomada pelo vigrio capitular Antnio Alfredo Por carta de lei de 24 de Junho de 1848, foi esta parquia novamente restaurada, perdendo, da sua antiga rea , o Stio da Achada do Barro, que ficou pertencendo ao Santo da Serra, mas foram-lhe anexados os stios da Torre e da Ventrecha, pertencentes freguesia de Santa Cruz.

O stio da Bemposta foi sede dum morgadio, que data do primeiro quartel do sc. XVI. Joo Afonso Escudeiro, que era de nobre ascendncia, passou do continente Madeira pelos anos de 1450 e teve terras de sesmaria em gua de Pena, onde instituu  o morgado da Bemposta, bem como o de S. Lazaro em Santa Cruz, pelo seu testamento feito a 21 de Junho de 1512, ano em que morreu. Sua filha e herdeira Catarina Anes Escudeiro, que foi a primeira administradora deste vnculo, casou com Lopo Fernando de Mono, de cujo matrimnio nasceu Joo Lopes Franco, que sucedeu no morgadio e morreu sem descendncia ,passando a administrao vincular da Bemposta a um seu sobrinho por nome Diogo Lopes Tavares.

Apertada entre as parquias de Santa Cruz e Machico, limitada ao norte por esta ltima e pela do Santo da Serra, ao sul pela de Santa Cruz, a leste pelo oceano Atlntico e a oeste pelas freguesias de Santa Cruz e do Santo da Serra. Faz parte dos concelhos de Santa Cruz e Machico, pertencendo ao primeiro os stios povoados da Torre e Ventrecha e ao segundo os da Bemposta, Lombo, Lugarinho, Igreja e Queimada, at ao ano de 1989? Ficando somente a freguesia de gua de Pena a pertencer ao concelho de Machico, sendo desanexados os stios da Torre e Ventrecha, passando estes a pertencer freguesia de Santa Cruz. Tem como orago a virgem e mrtir romana Santa Beatriz, ficando a respectiva Igreja paroquial no stio chamado da Igreja. Alm deste templo, possui a capela do Sagrado Corao de Jesus no stio dos Cardais fundada em 1907, pelo cnego Henrique Modesto de Betencourt, e a de Nossa Senhora do Perptuo Socorro, construda por Francisco de Freitas Correia, no ano de 1924, no stio da Queimada. aproximadamente de 2 quilmetros a distancia a que ficam as vilas de Santa Cruz e Machico, achando-se a parte mais central da freguesia de gua de Pena sensivelmente equidistante daquelas duas vilas e afastada cerca de 20 quilmetros do Funchal. Pertence comarca de Santa Cruz e aos concelhos de Machico, como fica acima referido. Sendo banhada pelo mar numa relativa extenso, tem a servi-la um pequeno porto com uma praia de seixos rolados a que chamam o Calhau do Seixo, situado na foz da ribeira do mesmo nome. No ano de 1995, devido ao aumento da pista do aeroporto de Santa Catarina o Calhau do Seixo deixou de existir, passando este a constituir um dique onde foram construdos os pilares de suporte pista do aeroporto passando este a chamar-se no ano de 2001 Aeroporto da Madeira. Os terrenos desta parquia so fertilizados pelas levadas do Juncal e Levada Nova do Furado, que tm a sua origem no norte da ilha, e ainda pelas levadas do Moinho da Serra, nascida na freguesia de Santa Cruz, Levada Nova, que encabea na ribeira de Machico, e a do Lugarinho, cujo caudal parte do stio do mesmo nome dentro dos limites desta freguesia.

 

 Junta de Freguesia de �gua de Pena

ACIN - Engenharia de Sistemas Lda